top of page

Crianças Orquídea e Crianças Dente-de-leão

Atualizado: 21 de set. de 2021



Já ouviram falar de crianças Orquídeas e Dentes de Leão?


Deixamos aqui um texto do pediatra W. Thomas Boyce para vos despertar sobre esta terminologia que surgiu na pediatria mas ainda é pouco discutida.

Para mais informação ouçam a nossa entrevista à Drª Tracy Cassels aqui no blog.


W. Thomas Boyce M.D


" Como pediatra ao longo de quatro décadas, tornei-me vividamente ciente da grande irregularidade - a desproporção - evidente das diferenças na saúde e no desenvolvimento entre crianças desde os primeiros momentos de vida. Mesmo em famílias monoparentais, os pais costumam dizer-me que todos os seus filhos eram basicamente saudáveis, "excepto a Sara, excepto o Julio ou o Jamal... " Os pediatras entendem implicitamente, por simples observação do dia a dia, que algumas crianças são afetadas excessivamente pelas forças que protegem a saúde ou que a colocam em perigo. E, a nível da comunidade, sabemos que, em qualquer população de crianças, uma pequena minoria - cerca de 20% dos indivíduos - sofrerá a maioria de todas as doenças e distúrbios.


A ciência do desenvolvimento demonstrou de forma convincente que uma das origens destas diferenças são as primeiras experiências das crianças com trauma psicológico e adversidade. Essas experiências podem impedir o desenvolvimento normal do cérebro, criar obstáculos para uma aprendizagem eficaz e prejudicar a saúde mental e física durante a infância e durante o resto da vida. É por isso que as crianças que crescem em pobreza, crianças que são maltratadas pelos seus pais ou outras pessoas, e crianças expostas à violência dentro da família ou da comunidade estão todas em risco de comprometimento do seu desenvolvimento, desempenho educacional e saúde mental ou física.


Mas todas as crianças não são igualmente suscetíveis a esses efeitos. Enquanto algumas são fortemente afetadas por traumas, outras são capazes de enfrentar experiências adversas de maneira eficaz, sofrendo poucas, ou nenhuma, consequências para o seu desenvolvimento ou saúde.

As pessoas tendem a ver estas diferenças de suscetibilidade como um atributo de vulnerabilidade ou resiliência inerente, imaginando que crianças resilientes ou "inquebráveis"; têm uma capacidade especial de prosperar, mesmo face a adversidades severas. A nossa pesquisa sugere, em vez disso, que essa variação é atribuível não a traços inatos, mas a diferenças relacionadas com a suscetibilidade biológica das crianças aos contextos sociais em que vivem e crescem, tanto os negativos como os positivos.


A maioria das crianças mostra uma espécie de indiferença biológica às experiências de adversidade, tendo circuitos cerebrais de resposta ao stress que são muito pouco reactivos a tais eventos. Como os dentes-de-leão que prosperam em quase todos os ambientes, estas crianças geralmente não se incomodam com o stress e traumas que enfrentam. Nós pensamos nelas, metaforicamente, como filhos dentes-de-leão.


Uma minoria de crianças - cerca de uma em cada cinco - mostra uma suscetibilidade excepcional a contextos sociais negativos e positivos, com circuitos de resposta a stress e a eventos adversos altamente sensíveis. Como as orquídeas, que requerem ambientes de suporte muito particulares para poder prosperar, estas crianças mostram uma capacidade excepcional para ter sucesso em circunstâncias nutritivas e de apoio, mas sustentam um número desproporcional de doenças e problemas quando criadas em condições sociais adversas e stressantes. Nós pensamos nelas como crianças orquídeas.


A Ciência do Desenvolvimento revela cada vez mais que, a relativa indiferença das crianças dente-de-leão e a sensibilidade especial das crianças orquídeas às características do seu ambiente inicial são provavelmente atribuíveis ao efeito conjunto dos genes e dos contextos sociais.

Estes processos epigenéticos - nos quais os factores ambientais orientam o surgimento de diferenças genéticas - são os prováveis ​​reguladores da suscetibilidade diferencial das crianças às influências ambientais. Reconhecer esta suscetibilidade diferencial é a chave essencial para compreender as experiências de cada criança, para criar filhos de diferentes sensibilidades e temperamentos, de maneira eficaz e para promover a capacidade adaptativa e saudável de todos os jovens.


Origens dos Tipos


Então, as orquídeas nascem assim ou tornam-se orquídeas por meio de experiências de vida?


A nossa primeira pista para obter uma resposta vem dos primeiros momentos da vida pós-natal.

O que é especialmente interessante sobre o índice de Apgar é o grau em que as coisas que ele mede são controladas pelo sistema nervoso autónomo “reptiliano” que está relacionado com o instinto de defesa e stress. Cada subtotal é um indicador da adaptação do corpo aos consideráveis ​stresses físicos (e possivelmente emocionais) do nascimento; pontuações baixas são o reflexo de respostas insuficientemente adaptativas. Afinal, o nascimento é uma experiência extrema e sem precedentes, e são essas experiências que mais nos dizem sobre quem somos como extensões da nossa biologia individual.

Dado que todos nós começamos a vida sendo mergulhados numa experiência épica de reactividade ao stress, deveríamos nos perguntar se o índice de Apgar poderá nos dizer mais do que apenas se precisamos de que nos aspirem a boca ou que os nossos corpos sejam aquecidos?


Se pontuações mais baixas refletirem respostas menos adaptativas e menos compensatórias de “instinto de defesa”, elas poderão também prever a tendência, a longo prazo, de um bebé para respostas mal-adaptativas ao stress?

Será que os nossos primeiros momentos extra-uterinos podem pressagiar algo importante sobre toda a nossa vida que ainda está por vir?


Isso é exatamente o que descobrimos. Um trabalho epidemiológico cuidadosamente realizado por um de meus alunos de doutoramento e um ex-pós-doutorado descobriu que em quase 34.000 crianças de Manitoba, Canadá, os índices de Apgar de cinco minutos foram predicativos da vulnerabilidade da criança, numa variedade de dimensões do seu desenvolvimento, aos 5 anos, segundo o relatório do professor. Por exemplo, os professores de crianças com índices de Apgar de 7 identificaram mais áreas de vulnerabilidade no desenvolvimento destas do que nas crianças com índices de Apgar de 9 ou 10; e os alunos de jardim de infância com índices de Apgar de 3 ou 4 relataram mais vulnerabilidades de desenvolvimento do que seus pares com pontuação de 6 ou 7.


Natureza vs. Nurtrição


Uma fonte de varição na estabilidade adaptativa é certamente a diferença genética entre bebés, mas os genes por si só não fazem de uma criança uma orquídea ou dente-de-leão. Como o trabalho de outros pesquisadores mostrou, as características genéticas das crianças criam as suas predisposições, mas não determinam necessariamente os seus resultados.


Por exemplo, um consórcio que estudou crianças romenas criadas em orfanatos terrivelmente

negligentes e às vezes cruéis, sob a ditadura de Nicolae Ceauşescu, antes da sua queda em 1989, descobriu que uma versão mais curta de um gene relacionado com o neurotransmissor de serotonina produzia resultados semelhantes aos das orquídeas.


Crianças com este alelo mais curto (uma forma alternativa de um gene) que permaneceram nos

orfanatos desenvolveram deficiências intelectuais e desajustes extremos, enquanto aquelas com o mesmo alelo que foram adoptadas por famílias adoptivas recuperaram notavelmente, em termos de desenvolvimento e saúde mental.


Da mesma forma, uma equipe de pesquisadores holandeses ao estudar os padrões experimentais de doações financeiras a crianças - em resposta a um vídeo emocionalmente evocativo da UNICEF - descobriu que os participantes com um gene neurotransmissor de dopamina parecido a uma orquídea deram as contribuições mais caridosas ou as menos caridosas, dependendo da conexão afectiva segura ou insegura com os seus progenitores - isto é, dependendo de factores que não são genéticos.

Costumávamos pensar que qualquer traço ou característica presente no nascimento era "congénito" e portanto, determinado por genes ou, usando um termo antigo, estava predestinado nas estrelas. Uma versão um pouco mais contemporânea desta visão conhecida como determinismo genético, defende que todas as nossas diferenças estão firmemente situadas na concepção, através do DNA mesclado que herdamos dos nossos pais. Podemos pensar nessa visão como o lado "natural", do clássico debate natureza versus criação.


O Projeto Genoma Humano - a abordagem definitiva da "natureza"; - prometia descobrir os "genes do” autismo, esquizofrenia, doenças cardíacas e cancro.

Mas nenhum desses genes individuais ou mesmo conjuntos de genes foram esclarecidos. Agora é claro que em quem nos tornamos não tem uma explicação directa, que há uma ligação óbvia dos genes com o comportamento, ou do DNA ao fenótipo - o conjunto de características observáveis, como a cor dos olhos, personalidade e comportamento, que descrevem um individuo. As nossas hipóteses mais elogiadas, premiadas e cuidadosamente articuladas empalidecem face às complexidades requintadas do mundo natural.


Há um velho ditado pediátrico que diz que todos os futuros pais são deterministas ambientais até que têm um bebé nas mãos, momento em que se tornam deterministas genéticos. Isto é o que quero dizer: antes de termos filhos, estamos propensos a ver o mau comportamento de um filho como produto de uma má educação. Aquele miúdo a fazer birra na mesa ao nosso lado no restaurante? Obviamente, é culpa dos pais não o controlarem – a educação deles não cumpriu o seu dever.

Assim que que somos responsáveis ​​pelo nosso próprio "criminoso em treinos", a fazer birra no banco do avião ao nosso lado, esperamos que aqueles ao nosso redor entendam que fizemos o nosso melhor, mas a criança veio ao mundo com este temperamento. É muito mais reconfortante atribuir o comportamento da nossa própria criança barulhenta ou perturbadora aos genes, pelos quais temos apenas responsabilidade passiva, do que às nossas capacidades como pais, pelas quais somos mais directamente responsáveis.


No seu livro Ou / Ou, Søren Kierkegaard propôs que para compreendermos plenamente a condição humana, precisamos combater a tendência de perceber as forças que nos formam como dicotomias inequívocas. Essas visões binárias vão de encontro às complexidades do nosso verdadeiro carácter. A ciência do desenvolvimento tem enfrentado nas últimas décadas uma divisão "ou / ou": a visão ambiental exigiu fidelidade às causas externas, localizadas dentro dos nossos contextos sociais e físicos, e a visão genética afirmou que as causas internas são

preeminentes, com os genomas a conduzir os nossos fenótipos e vidas. As posições surgiram como respostas contraditórias às questões fundamentais:

"Porque é que alguns adoecem e outros não?"; e "Porque é que alguns são tão saudáveis ​​e

realizados e outros não?" Agora sabemos que quase nunca é uma questão de ou / ou, mas sim de ambos /e.


Desvendando a Disposição Humana


Toda a disposição humana e transtorno de saúde mental ou físico depende de uma intrincada interação entre causas internas e externas para criar raízes e avançar. A chave para compreender a diferença humana e para diminuir e prevenir a morbidade envolverá um conhecimento mais aprofundado de como as diferenças genéticas e as variantes ambientais trabalham conjuntamente para alterar os processos biológicos. Esta abordagem para" desvendar" a natureza humana e o bem-estar aproxima-nos do entendimento do que faz as

orquídeas e dentes-de-leão florescerem, murcharem ou movimentarem-se entre estes estados ao longo de uma vida em mudança.


Ambos os genes e os ambientes sociais são quase indubitavelmente influentes nos fenótipos de orquídea e dente-de-leão, mas é provavelmente a interação de genes e ambientes que determinam onde as crianças dos nossos estudos se posicionarão nos gráficos que criámos para mapear o seu comportamento e saúde.

Os Bebés humanos, mesmo antes do nascimento, estão notável e perfeitamente sintonizados com as características dinâmicas do seu ambiente, primeiro no útero e depois no lar que os seus pais criam. O cérebro do feto humano e do recém-nascido é um "buraco negro" de capacidade sensorial que pode responder ao ambiente antes mesmo que a consciência o registre. Um recém-nascido adapta-se inconscientemente em função da "programação da primeira infância" - inconscientemente à medida que os ajustes biológicos começam, o cérebro começa a detectar desafios. Essa programação inicial aumenta a probabilidade de sobrevivência a curto prazo - pelo menos até que a capacidade de reprodução fique online na puberdade, mas também pode ter o lado negativo de gerar maiores riscos de doenças crónicas no adulto, como doenças coronárias, obesidade, diabetes, e transtornos mentais. É uma estratégia evolutiva de trocar a sobrevivência a curto prazo por uma longevidade diminuída e menos vigorosa.


Achamos que as suscetibilidades diferentes ao meio ambiente - e, portanto, as crianças orquídea e dente-de-leão - surgem dessa maneira. Em certos tipos de contextos sociais e físicos iniciais, a aquisição de defesas pode ser importante para a sobrevivência e desenvolvimento de crianças com sensibilidades especiais e aprimoradas. As crianças criadas em ambientes de contínua ameaça e defesa, por exemplo, podem logicamente ser protegidas pela vigilância e

atenção permanente da sensibilidade das orquídeas.

Há milênios atrás, ter alguns indivíduos orquidófilos num grupo de hominídeos pode ter sido uma forma de proteção para o grupo, quando surgiam ataques de animais e de outros grupos. Por outro lado, ser uma orquídea também pode trazer benefícios para aqueles que vivem no outro extremo - em ambientes de segurança, proteção e previlégio excepcionais. Aqui, a propensão das crianças orquídeas a serem abertas e porosas aos eventos e à exposição ambiental traria vantagens ainda maiores. A maioria das crianças prosperaria enormemente nestes ambientes. As orquídeas cresceriam espetacularmente!

Fora destas condições mais extremas, no entanto, ser um dente-de-leão deve certamente trazer as maiores recompensas com o menor custo. Os dentes-de-leão parecem impermeáveis ​​a tudo, excepto às ameaças e insultos mais virulentos. Dentro dos altos e baixos típicos das sociedades humanas, estes são os indivíduos considerados resilientes, resistentes e dinâmicos. A evolução deve, portanto, tender a favorecer uma proliferação de fenótipos de orquídeas quando existem condições ambientais extremas, enquanto os fenótipos de dente-de-leão devem predominar dentro da ampla arena de desafios moderados. É quase certo, há pelo menos evidências preliminares de que os dentes-de-leão estão desproporcionalmente representados nos ambientes onde nem grandes ameaças nem grandes privilégios predominam."





Querem saber mais sobre este assunto? Não percam a entrevista com a Drª Tracy Cassels aqui.


21.542 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page