top of page

Aventuras Matinais: Entre Histórias e Florestas Encantadas

Atualizado: 10 de jan.

Este é um texto original de Nancy Mellon de 2008, e a história aqui contada foi criada por Hanan Doron um pai israelita, que a partilhou numa viagem de carro com Nancy. Este pai encontrou a sua voz interior no contar histórias, o que atribui à inspiração que é a sua mulher Tsipori, que pratica o contar de histórias como arte curativa em Jerusalem . O porquê deste texto?


Nesta época do ano a maioria de nós prepara-se, cada um do seu jeito, para o regresso ou o início do ano escolar. Pensámos então, em como poderíamos nós também começar, este mês de Setembro, e trazer-vos algo inspirador relacionado com o tema que é tão caraterístico deste mês.

E, lembrámos-nos que esta seria uma excelente forma de começar. Uma história real sobre como os medos e os anseios de um pai, e dos seus filhos, foram ultrapassados com o poder do contar histórias.

A todos os pais, crianças, educadores, cuidadores desejamos um ano lectivo inspirador e cheio de harmonia e conquistas para todos. Aqui vai:



A saga de Hanan começou em 2004, quando ele levava a sua filha à escola pela primeira vez. Ela sentou-se a seu lado numa cadeirinha, os dois sentindo a excitação ansiosa e hesitante que frequentemente acompanha este evento especial. No momento em que eles saiam da garagem, no início da manhã, para a travessia de meia hora até a escola, Hanan decidiu aproveitar a ocasião e tentar contar a sua primeira história à sua filha. A filha ficou subitamente completamente feliz. Desde então, ela anseia por cada partida para a escola devido à história especial que compartilham. Hanan continuou o que começou naquele dia, todas as manhãs nos dias de semana ao longo dos últimos quatro anos. O seu filho, que ouviu cada detalhe da história da irmã, acabou por se juntar a eles a caminho da escola no seu primeiro dia de jardim de infância. Os dois filhos continuam a lembrar ao pai os detalhes que ele esqueceu.


Naquele dia, enquanto seguíamos juntos, Hanan e as crianças recontaram-me a história. Fiquei fascinada e impressionada ao ver como Hanan reflectia até mesmo os desafios emocionais mais subtis dos seus filhos na sua história. A história tem sido um veículo para que todos eles se tornem emocionalmente mais próximos. Mesmo depois de quatro anos, Hanan ainda se sente surpreso com o desenrolar da história que surgiu do seu desejo de manifestar sabedoria paternal aos seus filhos. Enquanto acelerávamos ao longo da estrada naquele dia, Tsipori ouviu com alegria a imaginação amorosamente intuitiva que seu marido continua a descobrir, apesar das suas muitas preocupações racionais. Eu rabisquei estas notas enquanto ele e os seus filhos, agora com oito e cinco anos, revisitavam a sua amada saga de ir até à escola.




Tudo começou com: " Era uma vez uma linda princesa que vivia com o rei e a rainha num palácio de ouro. A princesa tinha um amigo especial um Anãozinho. Três outros amigos próximos também estavam sempre perto dela: o Esquilo, o Coelho e a Toupeira. Ela alimentava-os e eles brincavam às escondidas e a muitos outros jogos no jardim e na floresta próxima do palácio. À noite, os animais dormiam com ela no seu quarto. Um dia, a princesa e os seus pais perceberam que o Anãozinho estava triste. Ele confessou que estava triste porque estava longe da Terra dos Anões há anos e sentia a falta dos seus pais e amigos. Ele queria muito vê-los novamente, mas chegar à Terra dos Anões exigia uma jornada muito desafiadora através de uma enorme floresta, um vale e um rio caudaloso, e pelas montanhas muito altas além do rio.


A princesa sugeriu que os seus três leais amigos o acompanhassem, e eles concordaram com esse plano porque amavam a princesa e entendiam que o Anãozinhoi não poderia ir sozinho. Muitos preparativos ansiosos e entusiasmados foram feitos (estes demoraram vários dias para Hanan os descrever). Seguiu-se uma longa festa de despedida no palácio e, finalmente, tudo estava pronto e os viajantes despediram-se e partiram para o bosque."


Quando Hanan chegou a esta parte da história, já muitas semanas de aulas haviam sido percorridas com sucesso. Comunicando-se com a sua filha durante o processo da história, ele encontrou dentro de si um poço profundo de inspiração paciente e uma intuição que nunca sonhara encontrar. Mesmo hoje, ele diz que a sua voz de contador de histórias muitas vezes lhe soa estranha e fascinante, quando ouve a história com tanto espanto quanto seus filhos.


Agora, quatro anos depois, o anão e os seus muitos amigos ainda estão, em detalhes requintados e vagarosos, a caminhar em direção à Terra dos Anões. Conforme os episódios evoluem, cada dia encontra-os a viajar para mais longe do palácio em aventuras mais corajosas e complexas. No início, à medida que percorriam um terreno menos familiar, o seu maior desafio era apenas continuar. À medida que a noite se aproximava, repetidamente eles aprendiam a escolher lugares seguros para acampar e a decidir juntos quais dos seus mantimentos comeriam para o jantar e quem ficaria de guarda enquanto os outros dormiam. Cada um dos viajantes ofereceu contribuições diferentes: o Anão, a sua habilidade com madeira e humor; o Coelho, coragem e pernas velozes; o Esquilo, sugestões úteis e inteligência na resolução de problemas; e a Toupeira, timidez honesta e insegurança. Cada um ajudava, comia e aninhava-se à sua maneira para descansar e sonhar.


À medida que as árvores cresciam cada vez mais altas, sons estranhos frequentemente alarmavam os amigos. Às vezes, eles queriam voltar. Três rapozinhas que tinham medo dormiam secretamente perto da sua fogueira à noite e aos poucos tornaram-se amigas e menos assustadas. Um dia, um estranho lamento alarmou os seus ouvidos, e eles descobriram um tigre ferido com um espinho na perna que lhes disse que conhecia a princesa e a achava muito simpática. Quando o tigre estava a se sentir melhor, ele ofereceu-se para viajar com eles para emprestar a sua força e coragem. Se um dos viajantes adoecesse, eles chamavam o Urso-pardo, bem conhecido entre todos os animais como o melhor curandeiro daquela parte da floresta. O Urso viria a oferecer remédios adicionais de ervas e lama e água curativas.


Durante os longos dias e à noite, as criaturas muitas vezes ansiavam por ver a princesa novamente. À noite, eles sonhavam com ela. Às vezes, a sua amada mensageira a Coruja trazia-lhes notícias e biscoitos numa bolsinha. Em troca, o Anão e os outros animais desenhavam e enviavam os desenhos de volta por ela, no seu bico. A princesa lembrava-se sempre e interessava-se profundamente pelo aniversário de cada um. Embora pudesse ser difícil para ela encontrar o paradeiro deles, montando-se numa Águia ela conseguia comparecer a cada aniversário com presentes e poemas. Hanan podia levar dias a descrever as celebrações de aniversário na floresta densa, pois além da empolgação pela visita da princesa, cada criatura levava algum tempo para encontrar ou fazer um presente especial. Velhos e novos amigos das florestas vizinhas recebiam convites especiais. A comida de aniversário era colhida e preparada com orvalho e água dos riachos, raízes e frutos silvestres, cascas e folhas.


À medida que a confiança de Hanan na sua própria intuição e imaginação crescia, rapidamente, episódio após episódio refletiam os interesses das crianças e também as suas necessidades e medos. Eles conheceram muitos estranhos cujos hábitos gradualmente se tornaram mais familiares. Um dia, o caminho estreitou até um impasse. O Anão e os seus amigos pensaram novamente que deveriam desistir de sua jornada, até que o Esquilo foi pedir ajuda aos animais grandes. Ele encontrou um hipopótamo gentil e alguns elefantes bem-dispostos que concordaram em andar à frente deles. Agradeceram a essas criaturas generosas e pediram que mantivessem o caminho aberto para o seu regresso. Durante um tempo, bruxas más incomodaram-nos, até que muitos amigos se reuniram e trabalharam juntos para construir uma casa para elas. Quando as bruxas receberam o que precisavam, elas tornaram-se boas e prestativas em troca.


Os viajantes recebiam sempre ajuda de alguma forma nos seus desafios. Num episódio, eles receberam uma caixa de um amigo mágico. Quando eles sacudiam esta caixa, um cubo de ouro, e diziam as palavras certas, eles encontravam coisas dentro dela para ajudá-los a resolver até mesmo o problema mais difícil. Um dia eles descobriram que as cores da floresta tinham sido roubadas por monstros que estavam a pintar a floresta e todos os os seus habitantes de preto. Com a ajuda das fadas da floresta e da caixa dourada, os animais reuniram coragem suficiente para descobrir a gruta dos monstros e restaurar a luz, forçando-os a restaurar todas as cores novamente. Outras aventuras retratavam criaturas sombrias à espreita atrás de paredes e gigantes perigosos.


De vez em quando, os viajantes contavam outra história que as crianças conhecem. Numa aventura, eles conheceram o Príncipe quando ele se preparava para entrar na floresta espinhosa que cerca a Bela Adormecida. As criaturas e o Anão encorajaram-no, e quando o príncipe apareceu intacto, os viajantes foram convidados para o seu casamento. A noiva recém-acordada adorou conhecer o Anão, os seus companheiros de viagem e toda a sua comitiva. Hanan levou várias semanas para descrever os detalhes da espetacular celebração do casamento. Com cuidado paternal, ele aprendeu a manter um ritmo narrativo tranquilo. A história contínua de Hanan, encorajada pela sua esposa, criou um clima de confiança pacífica e uma aventura calorosa e sempre renovadora que permeia a sua vida juntos.


O que poderia ter sido uma viagem matinal fria e confusa para a escola para pai e filhos, em vez disso, foi uma oportunidade de tricotar um tecido incrivelmente íntimo de coração.


NANCY MELLON é escritora e psicoterapeuta especializada na família e em questões geracionais, em terapia somática e trauma. Ela dá palestras nos Estados Unidos e no resto do mundo, onde apresenta a narração de histórias como parte de um processo fisiológico, e é pioneira numa nova consciência da relação entre linguagem, imaginação e bem-estar.

Entre as suas publicações é autora de Storytelling and the Art of Imagination and Storytelling with Children.





Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page