top of page

Celebrar as épocas do ano - Aniversários

Atualizado: 28 de set. de 2021

As tradições ancestrais e aniversários na tradição Waldorf


Todos nós conhecemos quem adore festejar aniversários e quem prefira deixar o dia passar despercebido, ou por vezes, até quem se isole nesse dia. Acreditamos que esta escolha terá muito a ver com a experiência da vivência deste dia, ao longo da nossa vida. Este sentimento poder estar relacionado com expectativas, desilusões, superstições, ou mesmo questões religiosas mas não é disso que falaremos aqui hoje. Hoje vamos apenas desvendar um pouco a proveniência das tradições no que se refere à celebração de aniversários, ao longo da história, e também como são celebrados os aniversários seguindo a tradição waldorf.


Comecemos pela história...


A prática da celebração de aniversários começa no Egipto, segundo os eruditos que estudaram a Bíblia, com uma primeira menção de um aniversário a surgir por volta de 3.000 a.C., em referência ao aniversário de um Faraó. Mas um estudo mais aprofundado esclareceu que esta não era a celebração do seu nascimento no mundo, mas sim a do seu “nascimento” como um deus. Quando os faraós egípcios eram coroados no antigo Egito, eles "transformavam-se" em deuses. Este era o momento mais importante das suas vidas, mais do que até mesmo o seu nascimento físico.


Os gregos antigos, por seu lado, acreditavam que cada pessoa tinha um espírito presente no dia do seu nascimento. Este espírito vigiava e tinha uma relação mística com o deus em cujo aniversário aquele indivíduo em particular era nascido. Todos os dias correspondiam portanto a um deus.


Supõe-se que os gregos adoptaram a tradição egípcia de celebrar o “nascimento” de um deus. Eles, como muitas outras culturas pagãs, pensavam que os dias de grandes mudanças, como os dias de “nascimento”, abriam as portas a espíritos malignos. Então acendiam velas como resposta a esses espíritos, as velas representavam a luz na escuridão. Isso pressupões que as tradições de aniversário tenham começado como uma forma de proteção.


Além de velas, os amigos e familiares reuniam-se ao redor do aniversariante e protegiam-no de perigos com bençãos, pensamentos e desejos. Eram-lhes oferecidos presentes para trazer ainda mais boa sorte e afastar os maus espíritos. É também mencionada a utilização de "criadores de ruído" ​​para espantar o mal indesejado. Daí virá a tradição de se bater palmas?


Na Antiga Roma, segundo a investigação feita até hoje, parece ter sido a primeira vez na história em que uma civilização celebrou o nascimento de figuras não religiosas. Os cidadãos romanos comuns comemoravam os aniversários dos seus amigos e familiares. O governo, inclusivamente, até criou feriados em homenagem aos cidadãos mais famosos.


Qualquer romano que fizesse 50 anos recebia um bolo especial feito com farinha de trigo, azeite, queijo ralado e mel. Mas uma coisa importante a notar é que apenas os homens beneficiavam destas festas de aniversário. Os aniversários femininos não seriam celebrados até cerca do século XII.


É com os romanos que surgem as velas nos bolos de aniversário do ser humano mortal, como uma prática destinada a homenagear a luz interior do espírito que habita dentro de cada um. Para os romanos, este ritual fazia parte do lembrar que no nascimento de uma pessoa, uma vela era acesa para representar o fogo invisível no centro de cada vida. Em vez de uma vela para cada ano de vida, como fazemos hoje, acendia-se a chama de uma única vela que representava o fogo invisível no âmago do coração. Os presentes de aniversário não eram dados à pessoa, mas ao espírito nascido dentro dela. Nesse sentido antigo, os presentes de aniversário serviam como lembrança de que cada pessoa já é dotada à nascença; que cada um vem com uma chama interior, bem como com os dons dados por Deus, destinados a serem trazidos à vida e oferecidos ao mundo.


O aniversário de uma pessoa servia como uma lembrança do propósito individual de cada um, da mensagem oculta que cada um trazia consigo e que teria de surgir ao longo da vida. O objectivo não era simplesmente fazer um pedido e apagar uma vela. Em vez disso, o objetivo era lembrar porque queima a vela de cada vida. Ou seja porque viemos ao mundo! Não sabemos qual a vossa opinião, mas sem dúvida que esta é para nós uma razão mais que válida para não deixar passar um aniversário sem o celebrar!


Era também comum fazer um pouco de silêncio após o desejo de aniversário ter sido feito, a fim de honrar a história interna que tinha de ser vivida no mundo.


Para nós é neste espírito que os aniversários das crianças são celebrados, tal como o de cada membro da nossa comunidade. Celebramos os dons e o propósito de vida de cada ser com quem temos a honrar de passar os nossos dia, pois cada um de nós é especial e traz algo de único às nossas vidas.


Ou seja, esta é uma das nossas tradições favoritas na pedagogia Waldorf, a celebração dos aniversários de uma criança. Quer nos parecer que andamos a dizer o mesmo de todas as tradições? Desculpem, mas a verdade é que elas são parte integrante de nós! E, como já referimos muitas vezes, as tradições e os rituais ajudam as crianças ( e os adultos) a marcar a passagem do ano e, a celebração do nascimento de uma criança, como dissémos, honra a sua presença nas nossas vidas e no mundo.


A educação Waldorf é baseada no conceito de que além do plano terreno existe outro plano espiritual, onde uma parte espiritual do ser humano reside antes de se conectar com nossos corpos terrenos. Este processo é descrito em muitos contos de fadas, muitos dos quais indicam que estamos todos numa busca para nos tornarmos o "rei" do nosso próprio reino (nosso corpo físico). Queremos governar nosso próprio 'reino' (nosso corpo físico) com sabedoria e presidir a um 'reinado' saudável e pacífico para sempre ( a vida na terra).


Cada aniversário é portanto, um marco no caminho dessa busca e uma oportunidade de comemorar as nossas conquistas, tudo o que conquistamos até agora no percurso da nossa vida.


Existem três ingredientes essenciais para uma celebração de aniversário numa sala de primeira infância Waldorf.


Um Bolo para Compartilhar

O bolo é um símbolo da totalidade e representa a totalidade da vida. É a reunião dos dons da Mãe Terra ( ingredientes), unidos pela vontade humana. Os ingredientes da Terra são transformados pelo calor do Pai Sol num alimento delicioso que pode nos nutrir e sustentar para ser compartilhado com a comunidade (após a celebração do aniversário a criança faz o primeiro corte e recebe o primeiro pedaço de bolo, é claro!).


As vela para iluminar o caminho

A chama da vela é um elo mágico especial entre os dois mundos - terreno e divino. As velas acesas têm o poder de realizar desejos - os desejos são feito silenciosamente, e depois que as velas são apagadas pela criança aniversariante, o desejo sobe silenciosamente com o fumo das velas.


A companhia de bons amigos e as suas bênçãos/desejos

O amor da família e dos amigos é como uma roupa quente para a alma da criança.

O interesse caloroso na criança aniversariante é demonstrado pela família e amigos na festa de aniversário, é como um sol que brilha sobre uma planta em crescimento, dando-lhe força interior e vitalidade.

No final da história do aniversário a criança recebe um presente físico (de acordo com a sua idade) mas também um presente verbal por parte de cada colega de sala.

Os pais, por vezes irmãos e/ou avós são convidados para a celebração do aniversário de cada criança e compartilham a narrativa sobre a jornada de cada criança, desde o nascimento até aquele dia.


Como já perceberam os Aniversários na tradição Waldorf normalmente exigem um ambiente muito cuidado. Sabemos que com o passar dos anos, a capa, a coroa e os presentes simples podem desaparecer, mas o nosso desejo é que o sentimento permaneça o mesmo, e que a criança guarde em si o desejo de celebrar a sua vida e individualidade ao longo da sua vida.


Antes de contar a história do aniversário ou acender o anel de aniversário, na maioria das escolas, é colocada cerimoniosamente uma coroa de aniversário na cabeça da criança ( normalmente feita pelo educador) e uma capa de aniversário nos seus ombros ( ver fotos em baixo). Muitos educadores e pais, usam o anel de aniversário de madeira, uma tradição essencialmente norte europeia, para comemorar aniversários. ( foto de rosto do post)


Normalmente a sala está decorada de forma especial. Com as cadeiras colocadas em círculo e a criança e família sentam-se ao centro.

A maioria dos educadores conta uma variação da "História de Aniversário" ou " História da Ponte do Arco-Iris", como já dissemos. A história geralmente inclui uma criança/anjo que um dia olha para a terra lá do céu e escolhe cruzar a “ponte do arco-íris” para vir até à sua família na terra.

Muitas vezes os educadores sugerem aos pais como preparar o dia de aniversário na véspera ou como o celebrar em casa quando as crianças são menores de 2 anos. Até esta idade a criança é muito pequena e sentimos que a melhor forma de celebrar o dia é tirar o dia para o passar com ela.


Como dissemos, na noite anterior ao aniversário da criança, os pais podem antecipar o dia seguinte recitando um verso que é acompanhado de um número de beijos consoante a idade da criança no ano que passou e que lhe diz que, ao acordar, ela irá receber um beijo mais pela manhã. Por exemplo, três beijos ao dizer boa noite e quatro beijos pela manhã para uma criança que faz quatro anos.


Deixamos de seguida versos e histórias de aniversário, para os que tiverem curiosidade.


.

Versos Aniversário

I

" Acima da minha cabeça as estrelas brilham

Cada estrela é como uma chama,

Uma é minha, aquela que sobre mim brilhou

Quando vim para esta terra.

E sobre esta Terra o meu passo se firmou,



Sinto as pedras debaixo dos meus pés

Conheço pássaros, flores, e todos os animais,

pessoas amorosas que me rodeiam.

E todos os anos, tenho um ano mais.

Quando a minha estrela brilhar mais forte,

No meu coração vou receber

O calor da sua luz,

e o amor de quem me viu nascer. "



II

"Quando eu fizer a minha oração da noite,

E minhas roupas sobre a cadeira dobrar,

E a mãe / pai desligar(em) a luz,

Eu terei _anos ao me deitar.

Mas quando amanhecer,

Antes das crianças se levantarem e irem brincar,

Antes da escuridão em ouro se transformar,

Amanhã, terei __ anos de idade ...

__ beijos quando acordar,

__velas no meu bolo

__ desejos quando as velas soprar.



Quanto às história dos aniversários, há tantas versões desta história de aniversário quantas crianças e educadores Waldorf. Estas são duas possíveis versões da história. Certifica-te de que mudas a história para melhor descrever o teu filho e a sua história!



História da Ponte do Arco-íris

(versão curta)

(Nesta versão a criança aniversariante começa sentada sozinha, de frente para os elementos da sua família, que estão sentados juntos.)


Era uma vez um lindo anjo que vivia lá no alto, no céu, acima das nuvens. O anjo estava feliz na sua casa acima das nuvens, e adorava olhar para baixo para observar as pessoas na Terra. Ele gostava especialmente de espreitar as crianças! Ele via-a-as a brincar, correr e rir, e decidiu que que um dia também gostaria de ser criança. Então começou a procurar através das nuvens, ele procurou e procurou, a família certa para ele. E quando ele encontrou ______ e _____ e a irmã/ão/s mais velha(o)/s _____ ele soube que eles eram a família perfeita para ele. Então ele deixou para trás as suas asas e desceu pela ponte do arco-íris ...


(Aqui há quem estenda um longo pano/seda de arco-íris e a criança caminha para se sentar e juntar com a sua família)


... e na terra um bebé nasceu. ____ e _____ acharam que ele era o bebé mais lindo e deram-lhe o nome de______.


Quando ______ era um bebé ele ... e quando ele tinha um ano ele ... e quando ele tinha dois anos ele ... e quando ele tinha três anos ele ... e agora ____tem _____ anos a brilhar no seu coração de ouro!


E canta-se a música de aniversário!



História da Ponte do Arco-íris

(versão longa)


Há muito, muito tempo, há mais de ____anos, _______ não estava aqui na Terra. Ah não!Ela estava no céu com o seu anjo da guarda. Ela era muito feliz por lá. Ela podia rolar, ela podia dançar, ela podia saltar primeiro com um pé e depois com o outro, sem nunca cair!


Um dia, o anjo da _____ deu-lhe uma bola feita de ouro puro. _____ adorava brincar com a sua bola dourada. Ela lançava-a para o alto e apanhava-a novamente, ela conseguia jogá-la de uma mão para a outra sem deixá-la cair, nem uma vez! Então, um dia, quando a ____ estava num dia de desafios, ela quis ver o quão longe conseguia jogar a bola dourada. Então ela pegou nela, sentiu o seu peso na sua mão, olhou em frente e jogou a bola o mais longe que pode. Bem, ela jogou-a tão longe que a bola desapareceu de vista. ______ procurou aqui, ali e em toda parte, mas a bola não estava em lugar algum.


Mas então, de repente, _____ viu algo a brilhar por entre as nuvens, e eis que lá estava a sua bola dourada. Quando ela a alcançou, as nuvens se separaram e _____ viu algo lindo. Ela avistou a terra e lá ela viu oceanos e montanhas, campos verdejantes e árvores. E ao olhar ainda mais de perto, ela viu uma pequena casa de telhado vermelho onde uma mulher trabalhava no jardim e ela viu um homem com olhos bondosos e amorosos ocupado a consertar coisas pela casa. E ela viu um cachorrinho a latir alegremente e a correr pelo quintal. E assim que _____ viu o homem e a mulher, ela quis descer à terra para estar com eles, para ser sua filha.


" O meu anjo da guarda!" disse _____ para seu anjo da guarda. “Posso ir visitá-los?”


“Sim,” disse seu anjo da guarda. “Podes, sim, mas primeiro faremos uma longa caminhada/viagem. Agarra a minha mão. ”


Primeiro, ______ e o seu anjo visitaram a casa do Sol. O Sol deu a _____ o dom da coragem e colocou-o no seu coração. “Essa coragem”, disse o Sol, “vai te dar força quando enfrentares desafios”. ______ agradeceu ao sol.


Em seguida, eles visitaram a casa da Lua. A Lua deu a ________ o dom da sabedoria e colocou-o sob cada um dos seus pés. Pareciam um par de chinelos macios. _______ agradeceu à Lua.


Em seguida, eles passaram por muitas, muitas estrelas e cada uma piscou para _____ enquanto ela passava. Então, uma estrela, a própria estrela especial da ____ que ainda brilha nos céus todas as noites, tocou-a levemente nos olhos e disse: "Aqui está o presente do brilho dos teus olhos, para que possas sempre ver a alegria da vida." _____ agradeceu à sua estrela.


Em seguida, o anjo conduziu ______ pelos Portões Estrelados até à Ponte Arco-Íris O Sol, a Lua e as Estrelas cantavam de alegria. “Lembra-te, que eu estarei sempre contigo durante a tua vida na terra,” disse o anjo. Em seguida, ______ deslizou sobre a ponte do arco-íris, lá para baixo, para a terra.


Uma senhora gentil e carinhosa com um belo sorriso e olhos _________ pegou no pequeno anjo e colocou-a num lugar especial debaixo do seu coração, onde ela a carregou por muitos dias e muitas noites até que um dia um raio de sol tocou na sua barriga e uma linda menina foi colocada nos braços dela.


"Vejam!" disseram a sua mãe e o seu pai. “Ela é o presente mais lindo de todos. Vamos chamá-la de _________, pois este é o nome que escolhemos. "


Durante o seu primeiro ano na terra, ____aprendeu a fazer muitas, muitas coisas. Ela aprendeu a sorrir e a rebolar, ela aprendeu a sentar-se sozinha e depois se levantou para ficar de pé. Ela adorava ______ e os seus brinquedos favoritos eram _________. E então o bebé, que já não era mais tão pequenininho, completou seu primeiro aniversário. ( Acende-se a primeira vela)


Bem, durante o primeiro ano de vida ela aprendeu a fazer muito mais coisas. Ela deu os primeiros passos quando tinha ____ meses. Ela também disse sua primeira palavra, que foi _______. E então, depois de outra viagem ao redor do Sol, ________ fez outro aniversário e fez dois anos. ( Acende-se a segunda vela)


E por aí fora .....


Bem, durante o verão ( estação do ano em que nasceu a criança) em que _____ tinha quatro anos, ela aprendeu ________. Ela também aprendeu a __________ sozinha. E quase no outono, quando ela ainda tinha quatro anos, ela veio até à sala do jardim de infância _______ e conheceu o/a ________e o/a _______ e todos vocês, os amigos dela aqui presentes, pela primeira vez.


Agora, hoje é dia __________ e ______ está novamente a comemorar um aniversário e hoje _____ celebra ___ anos!


Canta-se os parabéns e apagam-se as velas acesas na mesa.



Aniversário Jardim de Infância (6 anos)

Aniversário (2 anos) na Primavera


Adorávamos que partilhassem connosco as vossas vivências das celebrações de aniversário e, se eras daquelas pessoas que celebravas o aniversário dos outros e não o teu, fazemos votos de que ao saberes um pouco da história e tradições, tenhamos ajudado a que desejes celebrar todos os anos a tua vida e tudo que só tu trouxeste ao mundo.


Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page